3 lições que Ana nos ensina

lições que Ana nos ensina

Ana é uma mulher em 1 Samuel conhecida por clamar a Deus em seu tempo de aflição. Ela era uma das duas esposas de Elcana. Enquanto a outra esposa de Elcana não teve problemas para conceber, Ana não podia ter filhos. Desde que Ana teve problemas para se tornar mãe, ela ficou deprimida. A outra esposa, Penina, foi cruel com Ana, o que aprofundou seu desespero. Apesar de suas provações, Ana era uma mulher forte, maravilhosa e fiel de quem podemos aprender muitas lições. 

Aqui estão três lições que Ana nos ensina:

1. Chame a Deus

A primeira lição que Ana nos ensina é clamar a Deus. Em sua desesperança, ela escolheu levar seus problemas a Deus. A Bíblia diz: “Na sua profunda angústia, Ana orou ao Senhor, chorando amargamente. E ela fez um voto, dizendo: ‘Senhor Todo-Poderoso, se você apenas olhar para a miséria de sua serva e se lembrar de mim, e não se esquecer de sua serva, mas lhe der um filho, então eu o darei ao Senhor por todos os dias de sua vida, e navalha nunca será usada em sua cabeça’” ( 1 Samuel 1:10-11 ). 

Enquanto Ana estava orando ao Senhor, Eli pensou que ela estava embriagada. Ana estava orando, mas ela estava apenas movendo seus lábios ao invés de dizer suas palavras em voz alta ( 1 Samuel 1:12-14 ). Ana diz a Eli que ela não está embriagada, mas que ela estava orando por “grande angústia e tristeza” ( 1 Samuel 1:16 b). Depois que Eli entende que ela não está embriagada, ele diz a ela para ir em paz ( 1 Samuel 1:17 ). Ana vai para casa, ouve algo e seu rosto não está mais deprimido ( 1 Samuel 1:18 ). 




O Senhor ouve a oração de Ana e a atende. Ana logo fica grávida e dá à luz um filho ( 1 Samuel 1:19-20 ). Ana nomeia seu filho Samuel. Como Ana havia dedicado Samuel ao Senhor, Samuel morava no Templo de Siló com Eli. Mais tarde, Samuel tornou-se um devoto seguidor do Senhor e profeta. Anos depois, Samuel teve a honra de ungir Davi como Rei de Israel ( 1 Samuel 16:1-13 ). 

Como podemos ver na vida de Ana, aprendemos a importância de clamar a Deus. Sempre que estamos em profunda angústia, dor ou tristeza, devemos levar nossa desesperança a Deus. O Senhor não quer que mantenhamos nossos sentimentos engarrafados. Ele quer que nos acheguemos a Ele e derramemos nossos corações diante Dele. Deus entende a dor que estamos sentindo, e Ele quer nos envolver em Seu amor. 

Infelizmente, muitas vezes recorremos à oração como último recurso quando deveríamos recorrer a ela primeiro. Escolha hoje falar com Deus e abra seu coração genuinamente. Deus sabe que temos esses sentimentos e quer acalmá-los. O mundo nos ensina a “nunca deixá-los ver você chorar”, mas Deus quer que venhamos a Ele. Ele não tem medo de nossas lágrimas. Deus pode nos trazer alívio de nossos problemas, embora nem sempre seja da maneira que esperamos. Assim como Deus estava com Ana, Ele estará com você também. 

2. Fraqueza é Força

Uma segunda lição que Ana nos ensina é que a fraqueza é força. Vamos considerar a sorte lançada contra Ana: os estudiosos especulam que ela tinha depressão, Penina a ridicularizou e Eli a acusou falsamente de estar embriagada. Apesar desses eventos negativos direcionados a Ana, ela escolheu se voltar para Deus e encontrar esperança nele. Em sua fraqueza, dor e tristeza, ela se tornou forte por causa de Deus. O Senhor foi capaz de ajudá-la a passar por essa fase difícil da vida e afogar seu coração com Seu amor.




Da mesma forma, em nossas próprias vidas, devemos lembrar que nossa fraqueza é força. É por meio de nossas fraquezas que nos voltamos para o Senhor e pedimos Sua ajuda. Em nossa sociedade atual, somos ensinados a encontrar nossa força em nós mesmos, mas a Bíblia nos diz que nossa força vem do Senhor. O Salmo 59:16 nos diz esta verdade: “Mas cantarei a tua força, pela manhã cantarei o teu amor; porque tu és a minha fortaleza, o meu refúgio em tempos de angústia.” 

O Senhor é a nossa força, e podemos descansar na esperança que Ele nos dá. Ana foi recebida com tristeza e angústia esmagadoras, o que a fez ficar fraca, mas Deus era sua força. Não importa o que você passe hoje, saiba que sua fraqueza é a força. Não podemos fazer nada sem Cristo. No entanto, quando nos voltamos para Deus em oração e pedimos Sua ajuda, Ele nos levanta e nos carrega através dos dias dolorosamente sombrios. 

3. A tristeza é normal

Uma terceira lição que Ana nos ensina é que a dor é normal. Depois que minha mãe faleceu, muitos perguntaram por que eu estava sofrendo tanto, fazendo com que eu me sentisse culpada pelo luto. Deixe-me dizer-lhe, amigo: a dor é normal. Não há nada de errado com o luto. O luto é uma parte normal e inevitável da vida. Todos nós processaremos a dor de maneira diferente, mas precisamos respeitar uns aos outros quando estamos processando nossa dor. 

Depois que um ente querido morre, um relacionamento termina ou um grande evento traumático acontece, é normal lamentar o que foi perdido ou o que poderia ter sido. Ana estava cheia de tristeza porque ela não podia ter um filho, e Penina estava piorando isso ao despejar sal na ferida. Aqueles ao redor de Ana não entendiam sua dor. Seu marido Elcana a questionou e perguntou: “Ana, por que você está chorando? Por que você não come? Por que você está desanimado? Não significo mais para você do que dez filhos?” ( 1 Sm 1:8 ). Embora Elcana provavelmente estivesse tentando ajudar, ele não entendia sua dor. 




Da mesma forma, Eli não entendeu a dor de Ana enquanto ela orava. Ele pensou que ela estava embriagada quando ela estava apenas orando por genuíno pesar e angústia. Em nossas próprias vidas, os outros provavelmente não entenderão a dor pela qual estamos passando. Alguns entendem se passaram por circunstâncias semelhantes, mas ninguém pode entender completamente sua dor como Deus. Não se sinta culpado por sua dor porque é normal. O luto mostra o quanto você se importava com a pessoa.

Não há prazo para o luto. Você pode sofrer por algumas semanas ou meses, mas muitas vezes, a dor dura mais. Minha mãe se foi há seis anos e ainda estou de luto, assim como minha família. Embora possa parecer deprimente, alguma dor nunca vai embora. Torna-se mais gerenciável? Claro, muitas vezes com o tempo. No entanto, eu mudei desde que minha mãe faleceu? Sim, eu mudei muito. O luto muda as pessoas. A pessoa que costumava encher a sala com energia quente e borbulhante pode agora ser mais reservada e preferir ser deixada com seus próprios pensamentos. 

O luto é inevitável porque vivemos em um mundo caído. No entanto, temos esperança no fim do túnel, porque haverá um dia em que o Senhor restaurará todas as coisas. Não haverá mais doença, dor ou morte ( Apocalipse 21:4 ). Portanto, o luto é uma parte normal da cura após uma experiência ou evento doloroso. Assim como Ana nos mostra, Deus pode nos ajudar com nossa dor e nos cobrir no abrigo de Seu grande amor. 


Por Vivian Bricker 




Sobre o Autor

Professor André
Professor André

Formado em Teologia, Tecnólogo em Gestão da Qualidade, Professor de cursos de Homilética, Exegese e Hermenêutica, André ministra na EBD e escreve para a Biblioteca do Pregador. "Fico feliz em compartilhar meus conhecimentos aqui no Conselho de Pastor".