Parábola dos trabalhadores na vinha: 8 lições práticas para aplicar na vida

Parábola dos trabalhadores na vinha

Os ensinos de Jesus mexem profundamente com a nossa percepção de nós mesmos e do mundo. Na parábola dos trabalhadores na vinha, por exemplo, encontramos lições importantes que podemos aplicar em nosso trabalho, orações, relacionamentos e maneira de servir a Deus.

Ela nos ajuda também na importância da integridade e do desapego aos benefícios materiais e títulos. Continue lendo para compreender ainda mais essa parábola que se encontra no Evangelho de Mateus, capítulo 20, versículos 1 a 16. 

Parábola dos trabalhadores na vinha: quais lições podemos aplicar em nossas vidas?

Segundo o relato que consta em Mateus 20, 1-16, Jesus estava na Judéia, já havia feito muitos milagres e já havia ensinados outros conceitos importantes quando proferiu essa parábola dos trabalhadores na vinha.

Aqui, ele falou sobre a contratação dos jornaleiros em diferentes horários e do pagamento final. As lições que podemos tirar dessa história são muito profundas, pois nos ajudam a viver com mais integridade na presença de Deus. Confira:




1. Devemos ouvir e aceitar o chamado de Deus

Ao iniciar a parábola, Jesus descreve um proprietário que contratou trabalhadores para sua vinha em diferentes momentos do dia. A mensagem é clara: Deus nos chama para servi-Lo independentemente de quando e onde.

A primeira lição, portanto, é que devemos aceitar o chamado de Deus, não importando em qual estágio da vida nos encontramos. (Mateus 20:1-7)

2. Igualdade na vinha do senhor

Outra lição importantíssima é que, no que diz respeito à salvação, Deus não faz acepção de pessoas.

Assim, independentemente de quando e como Deus chama cada um para servi-lo, o salário é o mesmo para todos, ou seja, a salvação da alma.




Aprendemos com isso, que Ele nos trata com justiça e igualdade, portanto, não importa o nosso passado ou conquistas materiais, o Senhor vê e ama a todos igualmente. (Mateus 20:8-9)

3. Devemos servi-lo sem desejar apenas recompensas materiais

Observemos que os primeiros colaboradores ao receberem os mesmo salários que os últimos, houve questionamentos. No entanto, o proprietário os repreendeu, destacando que ele tinha o direito de fazer o que quisesse com o que era seu. (Mateus 20:10-15)

Aprendemos aqui uma valiosa lição sobre servir a Deus pensando nas recompensas materiais, isso é perigo, pois além de enfraquecer a nossa fé, ainda, revela o nosso verdadeiro caráter diante de Deus. 

Na verdade, devemos ter um coração piedoso e livre para receber as recompensas espirituais que Ele nos reserva, mais que as materiais.




4. Aprendemos sobre a generosidade do Senhor

A parábola também revela a generosidade de Deus que, mesmo conhecendo o valor do trabalho de cada um, concede a todos a mesma dádiva. 

Essa benevolência divina nos motiva a sermos gratos e a reconhecermos que tudo o que temos vem das mãos do Senhor. (Mateus 20:12-15)

5. Servir sem Murmuração

A reação dos trabalhadores que chegaram primeiro é um alerta sobre a murmuração e a inveja. Aprendemos aqui que Deus deseja que o sirvamos com alegria e gratidão, sem olhar para os outros com sentimentos negativos. 

Assim, é importante aprendermos a nos concentrar na obra que Deus fez em nossas vidas, buscando sempre fazer o melhor para honrar a Deus. (Mateus 20:11-12)




6. A Última Será Primeira

A parábola conclui com uma afirmação impactante de Jesus: “Os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.” (Mateus 20:16)

Essa frase nos ensina que mesmo os que Deus chamou primeiro, não devem perder a diligência e humildade de quando iniciamos a nossa jornada nos caminhos de Deus.

Quando analisamos melhor essa passagem, ela nos leva a refletir sobre a qualidade do nosso serviço a Deus ao longo dos anos. Assim, devemos conservar o fervor inicial até o dia de receber a nossa recompensa. 

7. Integridade em todas as coisas

Ao longo da parábola, vemos a postura do proprietário da vinha, que é justo e cumpre sua palavra. Isso nos lembra da importância da integridade em todas as áreas de nossa vida, seja no trabalho, na família ou nos relacionamentos. 




A integridade diante de Deus é um testemunho poderoso e essencial para quem busca seguir Seus caminhos. (Mateus 20:1-16)

8. O propósito da graça

Por fim, a parábola nos lembra do propósito da graça divina. Aqueles que foram chamados por último também receberam o salário completo, mostrando que Deus está disposto a nos acolher, independentemente de nosso passado ou erros. 

Percebemos, assim, que Sua graça é suficiente para nos perdoar e transformar nossas vidas. (Mateus 20:8-15)

Essa história é uma fonte de reflexão e instruções que podemos aplicar em nosso cotidiano para fortalecer a nossa fé e comunhão com Deus.




Assim, ao aplicarmos as lições contidas nessa narrativa poderemos viver em Cristo com mais leveza, e por fim, receber o salário que Ele nos prometeu na sua glória.

Gostou das reflexões deste artigo? Então, veja também: A parábola do bom samaritano: Significado e 4 lições

Sobre o Autor

Professor André
Professor André

Formado em Teologia, Tecnólogo em Gestão da Qualidade, Professor de cursos de Homilética, Exegese e Hermenêutica, André ministra na EBD e escreve para a Biblioteca do Pregador. "Fico feliz em compartilhar meus conhecimentos aqui no Conselho de Pastor".