Festas do Senhor: Feriados Bíblicos e o Calendário Hebraico

festas dos judeus- festas judaicas-datas

Vamos falar sobre as Festas Bíblicas, Festas Judaicas ou Festas do Senhor. Estas festas eram celebradas pelo povo de Deus na Bíblia. Algumas festas são observadas até os dias de hoje pelos judeus.

As Festas do Senhor

O povo judeu manteve muitas das festas bíblicas ao longo dos séculos. Deus estabeleceu as festas bíblicas para Seu povo observar. E desde que Israel se tornou uma nação independente em 1948, algumas das festas se tornaram feriados oficiais em Israel. 

O que comumente chamamos de “festas judaicas” deveria ser mais apropriadamente Festas Bíblicas ou “Festas do Senhor”. Especialmente, visto que na Bíblia Deus chama esses festivais simplesmente de Seus. Veja quantas vezes essa frase se repete em um único capítulo de Levítico:

Estas são as festas do Senhor, santas convocações que proclamareis nos seus tempos determinados. (23:4) Estas são as solenidades do Senhor, que proclamareis como santas convocações. (23:37) celebrá-lo-eis como festa ao Senhor… (23:41) Assim Moisés declarou aos filhos de Israel as festas do Senhor. (23:44 )




A Festa Bíblica como Santa Convocação

Levítico 23 cobre brevemente todas as festas do Senhor. Há três festas anuais que o Senhor ordenou que todo Israel celebrasse em Jerusalém – Páscoa, Shavuot (Pentecostes) e Sucot (Festa dos Tabernáculos). Cada festa, independentemente de quando ou como se celebra, é chamada da mesma coisa: uma “santa convocação”.

A palavra hebraica para convocação é “mik-rah”. Tem o significado como “algo convocado, ou seja, uma reunião pública (o ato, as pessoas, ou o lugar)”. Mas esta não é apenas uma “reunião pública”. Quando aparece nas Escrituras, esta palavra “mik-rah” quase sempre segue pela palavra “ko-desh”, que se traduz como “santo”. Isso não é como qualquer outra “reunião da igreja”. Isso indica uma reunião sagrada porque o próprio Deus chamou Israel para se unir, e Ele estará no meio deles.

As Festas do senhor na Bíblia

Existem sete festas do Senhor mencionadas na Bíblia, que são divididas em três grupos: as festas da primavera, as festas do verão e a festa do outono. Cada uma dessas festas tem um significado espiritual específico:

  1. Festas da Primavera:
  • Páscoa (Chag HaPesach): celebra a libertação dos israelitas da escravidão no Egito, e é um lembrete do sacrifício do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.
  • Festa dos Pães Asmos (Chag HaMatzot): comemora a pressa dos israelitas em sair do Egito, e simboliza a necessidade de se livrar do pecado e viver uma vida pura e santa.
  1. Festas do Verão:
  • Pentecostes (Chag Shavuot): celebra a entrega da Lei de Deus a Moisés no Monte Sinai, e representa a importância da obediência e do compromisso com Deus.
  1. Festa do Outono:
  • Festa das Trombetas (Rosh Hashanah): é o início do ano judaico, e é um tempo de reflexão, arrependimento e renovação.
  • Dia da Expiação (Yom Kipur): é um dia de jejum e oração, e representa a necessidade de se arrepender dos pecados e buscar o perdão de Deus.
  • Festa dos Tabernáculos (Chag HaSukkot): celebra a peregrinação dos israelitas pelo deserto e a proteção de Deus durante esse tempo. Representa também a alegria e a gratidão pelo cuidado de Deus em nossas vidas.

No Novo Testamento, podemos ver como Jesus cumpriu muitos dos aspectos simbólicos dessas festas, especialmente a Páscoa, quando Ele se tornou o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. As festas do Senhor também têm significado para os cristãos, pois elas nos lembram da história e da fidelidade de Deus, e nos ensinam a importância da obediência, da purificação e do compromisso com Ele.




Os Feriados bíblicos

Existem vários feriados cristãos que notoriamente correspondem aos judaicos. Sabemos que Jesus teve uma ceia pascal com Seus discípulos. Mais tarde, essa refeição ficou conhecida como a Última Ceia, e aconteceu na noite anterior à Sua crucificação.

Você também pode se lembrar que o derramamento do Espírito Santo aconteceu no feriado de Pentecostes. Nem todo mundo sabe, mas Pentecostes é a festa bíblica das semanas, Shavuot. Então, por que não celebramos os dois feriados – o judaico e o cristão – no mesmo dia?

O calendário hebraico

Isso porque o calendário hebraico é ligeiramente diferente do calendário gregoriano ocidental. Em suma, o calendário gregoriano é solar. Isso significa que as estações são determinadas pelo sol. Nossos anos começam em janeiro. 

Em contraste, o calendário hebraico é lunar. Cada mês é determinado pelas fases da lua. Nos tempos bíblicos, o ano começava no início da primavera. Deus disse que o mês da Páscoa era o primeiro mês do ano. No entanto, em Israel hoje, o ano começa no início do outono – mas mais sobre isso abaixo. 




Um dia em uma semana

No calendário hebraico, um dia vai de um pôr do sol ao outro. Esta definição está enraizada na descrição bíblica do feriado de Yom Kippur em Levítico 23:32, onde diz que o feriado durou “de tarde a noite”. O povo judeu e o estado de Israel ainda seguem essa regra.

É por isso que o dia mais sagrado da semana – o sábado – legitimamente identificado como sábado, começa a se celebrar na sexta-feira à noite. E assim que o sol se põe no sábado, a nova semana começa. 

Quando Deus criou o mundo, Ele o fez em seis dias. Depois que Deus criou o homem e a mulher, antes mesmo de terem a chance de governar a criação, Ele os convidou a descansar. Adão e Eva começaram suas vidas na terra com comunhão com seu Criador no sábado.

Por causa da história da criação, em hebraico os dias da semana são simplesmente chamados: primeiro dia (domingo), segundo dia (segunda-feira), terceiro dia… A contagem termina com o Shabat, o sétimo dia. 




Significado da Palavra hebraica para festa

A palavra hebraica para festa é “chag” (חַג). Essa palavra é usada frequentemente no Antigo Testamento para se referir a festas religiosas e celebrações sagradas.

O significado literal de “chag” é “peregrinação” ou “passeio”, o que indica que as festas eram originalmente comemoradas com uma jornada até um local sagrado, como o Templo em Jerusalém.

Algumas das principais festas religiosas mencionadas na Bíblia que são chamadas de “chag” incluem a Páscoa (chamada de “Chag HaPesach”), Pentecostes (chamada de “Chag Shavuot”), e a Festa dos Tabernáculos (chamada de “Chag HaSukkot”).

Além disso, a palavra “chag” é também usada para se referir a celebrações e festas em geral, independentemente de serem religiosas ou não. No entanto, em um contexto religioso, a palavra “chag” tem um significado especial, indicando uma festa que é observada como parte da adoração a Deus e das tradições religiosas do povo de Israel.




As Festas do Senhor na primavera

A Páscoa

A Páscoa cai no dia dez deste mês, chamado Nissan. É o primeiro de três feriados de peregrinação. Estes foram tempos designados para todos os judeus virem a Jerusalém.

Esta festa bíblica Celebra o êxodo dos israelitas do Egito e a libertação da escravidão.

Os hebreus que acreditavam que Deus os manteria seguros foram protegidos da morte pelo sangue do cordeiro nas ombreiras de suas portas. É uma imagem clara do sacrifício de Jesus, que nos salvou por meio de sua morte na cruz.

festa paes asmos

A Festa dos Pães Asmos

Pão sem fermento é geralmente identificado com a Páscoa, pois estão intimamente relacionados. No entanto, merece ser mencionado separadamente – como está na Bíblia.




Na verdade, a Páscoa só aconteceu no primeiro dia. Os restantes sete dias santos são a Festa dos Pães Asmos. As pessoas são instruídas a limpar o fermento de suas casas e comer apenas pão sem fermento, chamado matzá. 

As Festas do Senhor no verão

Shavuot ou Festa das Semanas

No início do verão (ou às vezes ainda no final da primavera), todo o Israel celebra Shavuot – Festa das Semanas. É o segundo feriado de peregrinação e abre a época da colheita em Israel. Chamada também de Festa das Semanas, é celebrada após sete semanas desde a Páscoa. 

Os 50 dias é também a razão pela qual se chama Pentecostes, que significa cinquenta em grego e latim. Em Shavuot, Deus deu a Moisés e ao povo de Israel Sua lei. Milênios depois, neste dia Deus derramou Seu Espírito sobre as pessoas que celebravam Shavuot em Jerusalém. 

O verão também é uma época em que o povo judeu comemora a destruição do Templo. O dia é chamado Tisha B’Av e é um dia de luto e jejum. 

As Festas do Senhor no outono

O outono é a época mais festiva do ano para o povo judeu. As festas de outono são as mais famosas do ciclo de feriados judaicos.

Festa das Trombetas ou Rosh Hashaná

Festa das Trombetas, mais conhecida como Rosh Hashaná , que significa Cabeça do Ano, aponta para o início do calendário civil em Israel. No entanto, biblicamente, foi um dia solene com toques de trombeta lembrando as pessoas a refletirem sobre suas vidas e se arrependerem. 

No entanto, a tradição judaica em Rosh Hashaná é mergulhar as maçãs no mel, desejando a todos um bom e doce ano novo. A Festa das Trombetas inicia os Grandes Feriados, também chamados de Dias de Temor, que levam ao Dia da Expiação

Yom Kippur - festa biblica

Dia da Expiação – Yom Kippur

O Dia da Expiação em hebraico é chamado de Yom Kippur. É o dia mais sagrado do ano para o povo judeu. Muitos passam o dia em intensa oração, pedindo perdão a Deus. É um dia de jejum e em Israel tudo pára, incluindo aeroportos e trânsito. 

Este dia nos lembra o dom que temos em Jesus, que se tornou a expiação final por nossos pecados. 

Sucot: Festa dos Tabernáculos

A alegre Festa dos Tabernáculos é o terceiro (de três) feriado de peregrinação. É comemorativo e profético em seu significado.

Chamado Sucot em hebraico (cabines), ele aponta para o mandamento de Deus de permanecer em habitações temporárias por uma semana. É para lembrar a jornada dos hebreus pelo deserto. Além disso, nos lembra que nossa vida na terra também é uma habitação temporária. 

As Festas do Senhor no inverno

No inverno, há mais feriados para observar. No entanto, os dois festivais a seguir não estão incluídos no que a Torá descreve como as Festas do Senhor.

O Festival da Luz chamado Chanucá e o feriado de Purim são momentos em que o povo judeu celebra Deus salvando-os das mãos de seus inimigos.

Chanuká - festas das luzes

Chanucá ou Festival da Luz

Chanucá é conhecido como o Festival da Luz, graças à tradição de acender velas todas as noites durante oito dias. Comemorando uma vitória do povo judeu sobre seu opressor grego, o feriado também celebra a santificação do Templo. 

Por milagre de Deus, a menorá (um candelabro no Templo ) ardeu por oito dias, apesar de ter óleo suficiente para durar apenas um dia. O feriado geralmente cai na época do Natal no calendário gregoriano. 

Purim

Purim é uma celebração de mais uma vitória do povo judeu sobre seus inimigos. O Livro de Ester conta a história de como uma órfã fez Queen junto com seu primo sábio desvendar uma trama maligna orquestrada contra seu próprio povo.

Eles se posicionam diante da adversidade e sua coragem é celebrada em Purim. 

Purim é observado no último mês do calendário hebraico (Adar), que nos leva de volta à primavera. 

O que as Festas Bíblicas representam para os Cristãos?

As Festas Bíblicas do Antigo Testamento têm significado espiritual profundo e representam importantes aspectos da história e da relação do povo de Deus com Ele. Para os cristãos, essas festas também possuem significado espiritual e podem ajudar a compreender a história e a mensagem da Bíblia de uma forma mais profunda.

Embora as Festas Bíblicas, estabelecidas para o povo de Israel, elas têm significado universal que podem se aplicadar, inclusive aos cristãos. A seguir, algumas das maneiras como as Festas Bíblicas podem ser interpretadas e aplicadas pelos cristãos:

  1. Cumprimento em Jesus: As Festas Bíblicas apontam para a pessoa de Jesus Cristo e a redenção que Ele trouxe para a humanidade. Por exemplo, a Páscoa aponta para a morte e ressurreição de Jesus Cristo, que é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. A Festa dos Tabernáculos, por sua vez, aponta para a presença de Deus entre seu povo e a salvação eterna oferecida em Jesus.
  2. Valor histórico: As Festas Bíblicas possuem um valor histórico e cultural, que pode ajudar os cristãos a compreenderem melhor as tradições e a história do povo de Deus. Além disso, as festas podem ajudar os cristãos a entenderem melhor a importância do Templo, da Lei e do Sacerdócio no Antigo Testamento.
  3. Ensinamentos espirituais: As Festas Bíblicas contêm ensinamentos importantes sobre o caráter e a natureza de Deus, bem como sobre o relacionamento dos crentes com Ele. As festas enfatizam a importância da obediência, do arrependimento, da purificação e do compromisso com Deus.
  4. Comunidade e unidade: As Festas Bíblicas são celebradas em comunidade e enfatizam a importância da unidade entre os crentes. As festas podem ajudar os cristãos a crescerem em comunhão e a se tornarem mais fortes juntos.

Embora os cristãos não precisam observar as Festas Bíblicas, elas têm significado espiritual profundo e podem ajudar a compreender a história e a mensagem da Bíblia de uma forma mais profunda. Elas podem nos lembrar da história e da fidelidade de Deus, e nos ensinam a importância da obediência, da purificação e do compromisso com Ele.

Sobre o Autor

André Lourenço
André Lourenço

Formado em Teologia, Tecnólogo em Gestão da Qualidade, Professor de cursos de Homilética, Exegese e Hermenêutica, André ministra na EBD e escreve para a Biblioteca do Pregador. "Fico feliz em compartilhar meus conhecimentos aqui no Conselho de Pastor".

Solicitar exportação de dados

Use este formulário para solicitar uma cópia de seus dados neste site.

Solicitar a remoção de dados

Use este formulário para solicitar a remoção de seus dados neste site.

Solicitar retificação de dados

Use este formulário para solicitar a retificação de seus dados neste site. Aqui você pode corrigir ou atualizar seus dados, por exemplo.

Solicitar cancelamento de inscrição

Use este formulário para solicitar a cancelamento da inscrição do seu e-mail em nossas listas de e-mail.